Renda fixa e renda variável: você sabe a diferença?

Renda fixa e renda variável: você sabe a diferença?

Quando se pensa em investir, é importante pesquisar sobre o mercado financeiro. Nesse cenário, é bastante comum se deparar com termos como renda fixa e renda variável para apresentar as alternativas. Contudo, também é normal que surjam dúvidas sobre essas classes de investimentos e suas características.

Você sabe como elas funcionam? Entendê-las, assim como conhecer outras alternativas menos tradicionais, é essencial para que você tome as melhores decisões para construir ou ampliar o seu patrimônio.

Receba nossas novidades


    Por isso, preparamos este conteúdo para esclarecer o que é renda fixa e renda variável, as diferenças e as outras opções para investir o seu capital. Acompanhe!

    O que é renda fixa?

    A renda fixa é uma classe de investimentos em que é possível saber qual será o retorno ou, ao menos, como ele será calculado. O seu funcionamento é semelhante a um empréstimo: o investidor faz os aportes que garantem recursos para o emissor, podendo ser uma empresa, uma instituição financeira ou o Governo Federal.

    Em troca, ele recebe um rendimento acordado na data de vencimento. Em alguns casos, ainda, é possível movimentar os valores em qualquer data, sem precisar esperar o prazo — isso acontece quando existe a liquidez diária na aplicação. O mercado financeiro conta com diversas alternativas dessa classe, como:

    • Títulos públicos do Tesouro Direto;
    • Certificados de Depósito Bancário (CDB);
    • Letras de Crédito Imobiliários (LCI) e do Agronegócio (LCA);
    • Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e do Agronegócio (CRA);
    • Debêntures.

    O que é renda variável?

    Já a renda variável traz alternativas em que não há previsibilidade sobre os rendimentos. Inclusive, traz riscos de perdas financeiras devido às oscilações do mercado que afetam os preços dos ativos. Por isso, ela é mais indicada para quem tolera volatilidade e tem certa segurança em relação ao orçamento.

    Nesse caso, as principais alternativas de investimento são:

    • Ações;
    • Fundos de investimentos — de ações, multimercados, imobiliários, cambiais, entre outros;
    • Exchange Traded Funds (ETFs);
    • Brazilian Depositary Receipts (BDRs).

    Ainda, há alternativas menos tradicionais, como investimentos no mercado imobiliário feitos diretamente em imóveis, busca por fundos de investimento alternativos, especulação na bolsa de valores, entre outros.

    Afinal, quais as diferenças entre renda fixa e renda variável?

    Mesmo entendendo os dois conceitos, é normal que surjam dificuldades para visualizar as suas diferenças. Por isso mesmo, esclarecemos o que muda entre eles.

    A renda fixa tem como vantagem a menor exposição aos riscos e a previsibilidade em relação aos ganhos. Também existem alternativas mais seguras, que contam com cobertura do Tesouro Nacional (como no caso do Tesouro Direto) ou do Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

    E mesmo nos casos em que não há coberturas, existem dados que podem ser analisados para trazer maior segurança, como o rating de empresas ou o histórico. Porém, ele também traz uma rentabilidade limitada, reduzindo o potencial de retorno para o seu capital.

    Já a renda variável é imprevisível e tem maiores riscos devido às oscilações e volatilidade do mercado. Ao mesmo tempo, ela também traz mais oportunidades de rentabilidade, permitindo buscar retornos que superam os das alternativas de renda fixa.

    Quais são as outras opções de investimento?

    Além das alternativas tradicionais citadas, existem outras maneiras de investir na construção e desenvolvimento do seu patrimônio, auxiliando na conquista de seus objetivos. Entre elas, o consórcio merece destaque.

    Isso porque além de auxiliar na aquisição de bens e serviços específicos, ele consegue trazer outros benefícios relacionados à sua vida financeira. Veja só:

    • Não há cobrança de juros (exceto em caso de atraso na parcela), evitando encargos comuns nas compras a prazo;
    • Auxilia na educação financeira, pois estimula o controle financeiro para quitação das parcelas;
    • O poder de compra é garantido por meio das cláusulas de reajuste das parcelas;
    • É possível dar lances para tentar antecipar a contemplação e adquirir o bem ou serviço com mais agilidade;
    • A carta de crédito funciona como pagamento à vista, trazendo maior poder de negociação.

    Além disso, ele pode ajudar a conquistar objetivos, como a compra de um imóvel, que pode trazer ganhos por meio da locação e da valorização ao longo do tempo. Dessa forma, dependendo de suas metas financeiras, vale a pena considerar essa alternativa ao pensar em como investir o seu dinheiro.

    Conseguiu entender a diferença entre renda fixa e renda variável? Ambas trazem oportunidades interessantes para quem deseja explorar o mercado financeiro e utilizar o capital como fonte de renda. Porém, também é importante conhecer outras alternativas, como o consórcio, que proporciona ainda mais benefícios.

    Quer acompanhar mais dicas? Siga as nossas páginas nas redes sociais e fique por dentro das novidades! Estamos no Facebook e no Instagram!

      Blog do Consorcio Blog do Consorcio

      Comentários

      Cadastre-se e receba nossas novidades


        Aviso: Nós usamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade Eu Aceito

        Dúvidas, sugestões ou mais informações?

        Deixe sua mensagem no formulário abaixo para entrar em contato conosco. Ficaremos felizes em te ajudar!