Veja 10 dicas para estruturar sua reserva financeira!

Veja 10 dicas para estruturar sua reserva financeira!

Ter uma reserva financeira, embora importante, não é algo muito comum. Boa parte das pessoas até economizam, mas estão acostumadas a “dar um jeitinho” quando um imprevisto aparece. No entanto, esse descuido pode se tornar grave.

Imagine desregular todo o orçamento da família ao pedir ajuda? Ou colocar em risco um negócio próprio? A segurança de um suporte para necessidades e problemas é essencial diante disso. Mas, mais do que isso, você também precisa reservar dinheiro para cumprir suas metas e objetivos. Como, por exemplo, trocar de carro ou comprar um apartamento.

Receba nossas novidades


    É normal ter dificuldades para guardar esse dinheiro. No entanto, organização e disciplina fazem a diferença. Quer ver só? Confira algumas dicas imperdíveis para evitar sacrifícios e cuidar de suas finanças!

    1. Estime um custo mensal médio para a reserva financeira

    O primeiro passo para ter sua reserva financeira é estimar seu custo mensal médio. Mas o que isso significa, na prática?

    Simples! Você precisa definir, em detalhes, suas contas fixas mensais, como água, luz e internet. Se você paga alguma mensalidade, ela também deve ser inserida aqui: plano de saúde, universidade e escola para os filhos, por exemplo.

    Considere por fim outras variáveis, como combustível, roupas e supermercado. Faça uma média de acordo com seus últimos 12 meses para compreender gastos frequentes e valores.

    A partir dessa análise, você conseguirá fazer um planejamento e cronograma de suas contas. Mantenha essa planilha atualizada para ter um histórico de seus gastos e para ver o que você conseguiu eliminar durante o ano.

    2. Procure por algum tipo de investimento

    É interessante você fazer algum tipo de investimento para que seu dinheiro renda. É possível optar por algo simples, como uma poupança, ou ir além e pensar em investir no Tesouro Direto, ou seja, em títulos do governo.

    Mas se você tem algum desejo, como o de adquirir um veículo próprio, o consórcio é uma ótima opção. Ele ajuda a conquistar o seu objetivo, a destinar a quantia que cabe no seu bolso para este fim e conta com pouca burocracia.

    Além disso, é muito mais econômico do que um financiamento. Basta contar com uma empresa de sucesso no mercado para ter a tranquilidade de que seu investimento é bem cuidado.

    3. Organize suas contas mensais

    Agora é hora de organizar suas contas mensais. Verifique a data de vencimento de cada uma delas e determine prioridade de pagamento. Assim, você evita atrasos que acarretem juros, multas e taxas extras. Veja o que você pode fazer para adianta-las ou mesmo para quitá-las de vez, em caso de opções que tenham parcelas.

    Se você tem costume de deixar tudo no débito automático, ótimo. Mas não se esqueça de verificar os comprovantes e as confirmações de recebimento para não perder o controle. Caso algum aumento aconteça, você pode não perceber se deixar de conferir eventualmente. E, se houver cobranças indevidas, você poderá fazer uma reclamação e receber a restituição do dinheiro.

    4. Trace estratégias para quitar as dívidas

    Caso você tenha alguma dívida, tudo bem. Não é motivo para se desesperar e nem para fazer disso um motivo para desistir de juntar dinheiro. Seu foco para conseguir fazer uma reserva financeira deve ser, na verdade, quitá-las.

    Entre em contato com operadoras de cartão ou estabelecimentos comerciais e veja o que é possível fazer. Negocie, peça descontos e certifique-se de que o combinado cabe no seu bolso. Se necessário, divida o valor em parcelas.

    Mas acrescente esse custo ao seu planejamento de gastos fixos. Ele deve ser acessível ao seu orçamento e o pagamento jamais pode atrasar. Do contrário, tudo pode se acumular e ficar ainda mais complicado de se resolver.

    5. Economize antes de precisar de dinheiro

    Há quem deixe para economizar somente quando as finanças apertam, mas não faça parte deste time. Pois, na prática, pouco se resolve com essa iniciativa quando as coisas já saíram do controle.

    Procure economizar em tudo o que puder. Pesquise preços em supermercados, troque marcas de produtos, reavalie seus gastos mensais e priorize realmente o que você usa e necessita.

    Muitas vezes, acostumados a pagar as mesmas coisas todo mês, nem percebemos que não precisamos mais delas. É o caso de serviços de assinatura, por exemplo. O valor baixo descontado no cartão de crédito é imperceptível em um primeiro momento, mas faz muita diferença quando é cortado e encaminhado para a reserva.

    6. Comece a manter o hábito de poupar

    Se você não tem costume de poupar, comece já! Não precisa guardar uma quantia muito alta em um primeiro momento. Até porque, de nada adianta direcionar dinheiro para a reserva e deixar outros gastos importantes descobertos. 

    Primeiro, veja o que sobra em seu mês depois de pagar os custos fixos e, depois, o que pode ser guardado para eventuais emergências ou para a conclusão de metas e conquistas. Comece com 5% de seu orçamento.

    Na medida em que sua vida financeira entrar nos eixos, aumente o valor. Mas, se por um acaso você não conseguir guardar essa quantia, sem problemas. Guarde o que puder, mas não pule o mês sem deixar dinheiro na reserva e evite, ao máximo, fazer retiradas deste montante, do contrário você pode até mesmo ficar endividado.

    7. Coloque um valor para sua reserva

    A sua reserva financeira precisa de um valor estipulado. Assim, você terá um objetivo concreto para alcançar, além de mais disciplina e força de vontade para manter a sua organização de finanças em dia.

    Deseja comprar um carro? Veja quanto você precisa para participar de um consórcio, por exemplo. Além disso, guarde dinheiro para posteriores melhorias, combustível e futuros custos, como a troca de pneus, a lavagem mensal e outras necessidades.

    Quer um imóvel novo? Analise quanto você precisa para investir em um consórcio, mas também para uma reforma, por exemplo, caso você sonhe com algo específico ou queira revender mais tarde a um valor mais alto. A estabilidade ideal para a reserva deve variar de 3 a 12 meses de seu orçamento atual. 

    8. Gaste com inteligência

    Nada disso significa que você tem que se privar de lazer. Ou de comprar algo extra, que não seja sua prioridade, mas que parece atrativo para você em alguma situação. Está tudo bem fazer uma ou outra compra eventual que não esteja em seus planos.

    Mas para não atrapalhar sua reserva, gaste sempre com inteligência. Às vezes, vale a pena investir um pouco mais em um agrado pessoal ou uma viagem. Afinal, você trabalha duro e está com as finanças em dia, inclusive em relação à reserva.

    Mas coloque tudo na ponta do lápis para não exagerar. A aquisição pode ser feita se não ultrapassar o seu limite mensal e se não deixar dívidas. Do contrário, repense a ideia ou procure por uma versão mais em conta caso não queira abrir mão da compra.

    9. Busque uma renda extra

    Caso você não queira ou não possa mexer em seu salário para fazer a reserva, busque uma renda extra. Com o advento da internet, opções não faltam para que você; inclusive, trabalhe de casa nos horários que puder.

    Se você tem um dom como o de cozinhar ou tem conhecimento suficiente para lecionar em aulas particulares, invista nisso. Ou então, procure alternativas como a venda de artesanato, cosméticos e roupas.

    Com certeza existe algo que combine com você. Então, descubra o que encaixa no seu tempo livre e que não atrapalhe seu trabalho regular. E não se esqueça de tirar também um tempo para descansar. Somente com a cabeça e o corpo saudáveis você conseguirá executar suas atividades com qualidade.

    10. Esteja sempre preparado

    É ainda importante lembrar de que quando menos se espera, um impasse muito grande pode surgir. E que talvez você tenha que mexer em seu fundo de reserva para cobrir um gasto inesperado.

    Ou seja, isso pode atrapalhar o seu objetivo inicial. Contudo, é essencial ter calma e estar preparado para que isso possa acontecer. Em especial se a situação não puder ser contornada e o dinheiro precisar ser usado.

    Para não começar do zero, procure saber o que é possível negociar em relação a essa emergência. Não gaste toda a sua reserva de uma vez e somente faça pagamentos e empréstimos se tiver confiança na fonte. Assim, você evita prejuízos que podem desmantelar de vez o que você está guardando com tanta dedicação.

    Como você pode ver, é possível fazer uma reserva financeira com apenas essas dicas práticas. Mesmo que no começo o retorno não pareça significativo, tenha paciência. Seu intuito deve ser guardar dinheiro e fazê-lo render e é natural que isso leve algum tempo.

    No entanto, tenha em mente que os resultados valem a pena. Depois que seu hábito se tornar uma constante, a reserva sempre estará ali, para novos objetivos ou para alguma emergência. 

    Que tal começar a agir agora mesmo? Um consórcio pode ser a sua primeira iniciativa. Siga nossas páginas no Facebook, no Instagram e no LinkedIn para conhecer nossas opções e descobrir como podemos ajudar!

      Blog do Consorcio Blog do Consorcio

      Comentários

      Cadastre-se e receba nossas novidades


        Aviso: Nós usamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade Eu Aceito

        Dúvidas, sugestões ou mais informações?

        Deixe sua mensagem no formulário abaixo para entrar em contato conosco. Ficaremos felizes em te ajudar!